Título Cinco dias em março
Autor Toshiki Okada
Tradução do japonês Lica Hashimoto
Ano 2018 | 1ª edição
Nº de páginas 72
Dimensões 12 x 17cm 
ISBN 978-856-694-371-9
Preço de capa 30,00
Cinco dias em março retrata as atividades cotidianas de alguns casais de jovens japoneses durante um período de cinco dias, abrangendo o dia 21 de março de 2003, quando os EUA começaram a bombardear o Iraque. Ressaltando a vaga inquietação sentida pela sociedade japonesa na estrutura contrastante da guerra em uma terra distante e o "dia a dia" da juventude japonesa. Com um texto que espelha o coloquialismo atual da linguagem dos jovens japoneses, o uso de um discurso que troca de personagens e espaços no meio das falas dos atores, e uma expressividade física que exagera os gestos subconscientes e outros movimentos corporais, este trabalho abalou a estrutura teatral japonesa, que até então se sustentava em seus antigos alicerces, enviando ondas de choque no mundo do teatro contemporâneo do Japão.

Cinco dias em março, em sua primeira montagem, ganhou o 49º Kishida Kunishi Drama Award, em 2005, e se apresentou pela primeira vez fora do Japão no Kunstenfestivaldesarts, em Bruxelas, em 2007. Desde então já se apresentou em mais de trinta cidades pelo mundo, tornando-se um dos principais pilares do trabalho da companhia chelfitsch, a peça continua sendo altamente aclamada tanto dentro como fora do Japão, e reconhecida por muitos como uma peça chave na mudança da cena contemporânea teatral japonesa.

A remontagem desta peça, dirigida pelo autor, foi apresentada no Brasil em novembro de 2018 no Sesc Bom Retiro, em São Paulo.
Toshiki Okada (autor)
Nasceu em Yokohama em 1973, e fundou a companhia teatral chelfitsch em 1997. Desde então, ele escreveu e dirigiu todas as produções da companhia, explorando uma metodologia distinta para a criação de suas peças, passando a ser conhecido pelo uso do japonês hiper-coloquial e de uma coreografia peculiar. Em 2005, sua peça Cinco dias em março ganhou o prestigioso 49º Prêmio Kishida Drama e Air conditioner, foi finalista no Toyota Choreography Awards 2005. Em fevereiro de 2007, seu compilado de romances The end of the special time we were allowed foi lançado, ganhando o Prêmio Oe Kenzaburo. Ele é membro do júri do Prêmio Kishida Drama desde 2012. No ano de 2013, seu primeiro livro em teatrologia foi publicado pela Kawade Shobo Shinsha. Ampliou o seu campo de atuação para as artes visuais, tendo trabalhos como a instalação de vídeo Four unremarkable things you see at train stations no Museu de Arte Contemporânea de Tóquio, em 2014, tendo também atuado como curador em um projeto especial para alguns dos espaços expositivos do mesmo museu, em 2015, além de produzir novos trabalhos para a Saitama Triennale, enquanto trabalha em projetos com novas tecnologias de “vídeo theater”. Foi responsável pelo roteiro e direção de Wakatta-san no Kukki, no programa infantil do Kanagawa Arts Theater, no início de 2015. No mesmo ano encenou God Bless Baseball, sua primeira produção nipo-coreana, como abertura do programa do Asian Culture Center, o maior complexo cultural da Ásia, em Gwangju, na Coreia-do-Sul. Em 2016, montou in a silent way em parceria com o dançarino e coreógrafo Mirai Moriyama, sob curadoria de Yuko Hasegawa para a Setouchi Triennale. Também dirigiu trabalhos no programa de repertório da Münchner Kammerspiele, um dos principais teatros da Alemanha, por três temporadas desde 2016.
Back to Top