Título William James, a construção da experiência 
Autor David Lapoujade 
Tradução Hortência Santos Lencastre 
Revisão técnica Cassiano Terra Rodrigues 
Ano 2017 | 1ª edição
Nº de páginas 128
Dimensões 14x21cm 
ISBN 97885669433313 
Preço de capa 44,00
Diante das grandes crises, como resgatar a confiança, o vínculo que nos liga ao mundo, que nos faz agir, pensar e criar? O pragmatismo do filósofo americano William James surge dessa questão, em tudo oposta à ideia do sucesso à americana, do self-made man, do homem de negócios oportunista. Se hoje os Estados Unidos vivem uma caricatura de si mesmos, James oferece um vívido antídoto à filosofia do capitalismo. Para ele, a tarefa da filosofia não é procurar o verdadeiro ou o racional, e sim nos dar razões para acreditar neste mundo. Conforme a bela interpretação de David Lapoujade presente neste livro, o pragmatismo de James se apresenta como um método para mergulhar num mundo em fluxo, que concebe a experiência como composição e justaposição de experimentações, onde as linhas que se entrecruzam constituem uma cartografia particular. Este é o projeto da filosofia de James, isto é, do empirismo radical: liberar a experiência de toda forma preexistente
David Lapoujade nasceu em Paris em 1964. Considerado um dos autores mais inspirados da nova safra de pensadores franceses, é professor da Sorbonne (Paris I) e especialista em filosofia anglo-americana
contemporânea. Além deste livro, publicado originalmente como William James, empirisme et pragmatisme, publicou Fictions du pragmatisme, William e Henry James [Minuit, 2008], no qual atinge uma rara porosidade entre a filosofia e a criação literária. Lapoujade também é autor de Potências do tempo [n-1 edições, 2013], um estudo sobre Bergson; Deleuze, movimentos aberrantes [n-1 edições, 2015], uma interpretação original da obra do filósofo de quem foi aluno e amigo; e o recém-lançado na França, Les existences moindres, sobre o filósofo Étienne Souriau [n-1 edições, 2018]. Como organizador, foi responsável por três coletâneas póstumas de textos de Deleuze, A ilha deserta [Iluminuras, 2006], Dois regimes de loucos [Editora 34, 2016] e Cartas e outros textos [n-1 edições, 2017], bem como pela edição da versão francesa de Psychology: Briefer Course, de William James. 
[introdução] A construção da experiência

[capítulo 1] O empirismo radical
Plano e material: a experiência pura
O “monismo vago”: uma experiência sem “ego”
A interpretação e as séries significantes
Função e convenção (contra o hilemorfismo)

[capítulo 2] Verdade e conhecimento
Como criar verdades?
Linhas e pedaços
O conhecimento deambulatório

[capítulo 3] Confiança e comunidade pragmatista
Confiar
As convenções ou como escolher uma filosofia?
A comunidade de interpretação

[conclusão] Acreditar neste mundo
Back to Top